“Não conseguia me separar”

Qua, 06/05/2009 - 05h00

“Não conseguia me separar”

Quando conheceu o ex-marido, Silvia tinha apenas 13 anos. Filha de pais separados e caçula de quatro irmãos homens, engravidou do primeiro namorado aos 17 e se casou. Antes dos 23 já estava separada legalmente - primeiro sinal de que a história dela e de Roberto estava fadada ao fracasso.

Publicidade

Submissa, desempregada, desamparada e com medo, ela voltou para casa em todas as oito tentativas de separação. Tinha dois filhos e a desculpa que dava aos amigos e familiares que não entendiam o vai-e-vem era que não tinha como sustentá-los sozinha - e jamais deixaria os dois com o pai.

Essa história durou 18 anos, até que ela finalmente resolveu sair de casa, com os dois filhos já crescidos. “Se eles não tivessem me colocado na parede e dito que também queriam sair daquela vida louca, talvez eu estivesse casada até hoje”, conta.

O psicólogo Sebastião Alves de Souza, de São Paulo, diz que realmente o fator financeiro e de estabilidade econômica acaba por ‘prender’ essas mulheres às relações. “Mas a co-dependência afetiva é a grande razão. A mulher vê esse marido como o salvador e tem medo de encarar a vida lá fora sozinha”, diz. Para ele, a razão para que muitas não consigam se livrar de relações doentes é a repetição do modelo (ou falta de modelo) que tiveram na infância ou na adolescência.

Ele lembra ainda que esse tipo de relação funciona por retroalimentação. “Enquanto o homem, normalmente um inseguro que precisa se assumir, age de maneira machista e autoritária, ela aceita a dependência. A relação normalmente não é racional ”.

Sebastião também é terapeuta de família e lembra que não importa a classe social - esse tipo de relacionamento nada saudável acontece em todas as esferas. “Tenho pacientes que são médicas, professoras, pessoas esclarecidas. Mas quando parte para o lado afetivo, são desestabilizadas e sofrem muito”.

A desculpa usada por Roberta para não se separar é repetida em muitas outras casas. São mulheres que não querem romper a família ou tirar os filhos de perto do pai. “Mas não há estudo algum que prove que viver num lar desestruturado é melhor do que viver com os pais separados”, alerta. Nos casos onde as famílias vivem num grau de tensão alto, a separação pode sim ser benéfica.

O problema na maioria dos casos, além daquele endeusamento da figura do marido, é a própria psique humana. “A mente sabota a gente. Esquecemos aquilo que é ruim e só enaltecemos o bom. Mas, no meio disso, famílias inteiras acabam vivendo de aparência”.

Uma sugestão de Sebastião para as mulheres que se enxergam nessa situação é procurar ajuda profissional ou grupos de apoio. “Este é um quadro muito difícil de resolver sozinha. O casamento em crise re-atualiza a situação de rejeição, evoca medos, reedita aquilo que já se viveu de maneira conturbada em casa, no passado. E esse choro antigo precisa de ajuda para se resolver”. Se você vê a história de Roberta refletindo no seu espelho, talvez o sentimento que precise semear agora seja um só: coragem. Livre da sombra do marido, ela encontrou uma saída para viver a própria história - sozinha.

Por Sabrina Passos (MBPress)

Leia Também

4 comentários no Vilaclub

Comente!
rose rose
Qui, 21/10/2010 - 07h31 - reportar abuso

vivo ha dez anos com emu marido e ele tbm não é nada amoroso, ja me traiu, me esculacha de feia, gorda e preguiçosa, tenho independencia financeira, temos uma filha de 7 anos, fora que é um cavalo, só sabe ser estupido e tbm ta sempre jogando bola e tal, quando falo q não quero mais a relação assim ele finge q não escuta, não sei o q faço, tenho medo de me arrepender de uma separação........

responder ao comentário
Sex, 05/02/2010 - 18h39 - reportar abuso

eu me casei muito cedo, já tinha um filho que ele me ajudou a criar. ele é 11 anos mais velho que eu e sempre me dominou pscologicamente, me humilhava, desqualificava, aos poucos ele foi se afastando de mim na cama ja que eu passei a deixar de fazer as vontades dele. Quando eu pegava ele em atitudes suspeitas ele me chamava de ciumenta e dizia que era coisa da minha cabeça. Hoje em dia não temos relaçoes sexuais, as vezes até por 2 anos. Da última vez que tentei ele não conseguiu levar a relação até o fim. Há um ano eu pedi a ele a separação ele chorou e disse que não sabia viver sem a família, mas eu não consigo mais viver sem amor...

responder ao comentário
Sáb, 16/05/2009 - 20h06 - reportar abuso

Meu casamento é um terror tenho um marido que trabalha a semana interira e nos finais de semana passa o dia todo fora de casa de manhão á noite,diz estar jogando bola mais sei que o maior tempo esta em bar bebendo e sabe se lá o que mais,naum sei o que fazer pq no momento estou gravida de 04 meses, me sinto cada vez mais sozinha.O que posso fazer.

responder ao comentário
Qui, 07/05/2009 - 15h57 - reportar abuso

Vivi um relacionamento de praticamente 2 naos, em 1 ano vivi em um lar harmonioso e depois começaram as brigas, as falsas separações, as humilhações, ofensas e o meu medo era esse de encarar a vida sozinha, apear de sempre ter trabalhado, mas via que meu salario não daria para me sustentar com minha filha e nem pra continuar pagando aluguel e teria que voltar pra casa do meu pai e sempre dizia que ia me separar depois que ele quitasse minahs dividas. Mas não aguentei mais, joguei tudo po alto e resolvi ser feliz, pois já vivia em estado critico, mendigava atenção e amor, afetou até minha filha.
E hoje posso confessar que estou bem e muito feliz, pq durmo bem e graças a minha decisão, minha filha tbm mudou.
Sentimos muito com a separação, mas ninguém morre.

Bjs,

responder ao comentário

Especiais Vila Mulher

Leia Também

VILACLUB - O conteúdo da rede do Vila Mulher

Top Temas

50 tons de cinza beyoncé 50 tons de cinza casamento clitóris fantasia sexual filmes pornô kama sutra orgasmo posições sexuais sexo sexo anal sexo oral traição
X
Como seguir a vida depois da perda?
Como seguir a vida depois da perda? Veja aqui por vilamulher