Dores durante o sexo

O que pode causar dores durante o sexo

Uma relação sexual consentida é sempre sinônimo de prazer, certo? Nem sempre. Por diversas questões, psicológicas ou patológicas, a mulher pode sim sentir dores durante a penetração.

Esses desconfortos são conhecidos como dispareunias e devem ser avaliados com detalhes pelo casal e por um especialista. Segundo a ginecologista Ângela Lopes Carvalho, a fase da excitação na mulher é fundamental para uma relação prazerosa e sem dores. "O clima de erotismo e as carícias preliminares, quando eficazes, levam ao relaxamento da musculatura das paredes vaginais e períneo e à lubrificação vaginal. Sem esses fatores, a mulher pode se queixar de dor na entrada (dispareunia superficial) e no fundo da vagina( dispareunia profunda)", explica.

Quando a mulher chega ao período de pós-menopausa, em que a função dos ovários declina, a lubrificação vaginal também é reduzida, a chamada "secura vaginal". "Nesta fase, deve haver o aprimoramento do erotismo, das carícias preliminares e, muitas vezes, o uso de medicamentos que melhorem a umidade vaginal. Quando bem orientada e medicada, a mulher pode manter uma vida sexual prazerosa, independente da idade", garante a ginecologista.

Dra. Ângela diz ainda que em determinadas posições a penetração do pênis é muito profunda, o que pode causar desconforto. "A sensação é a de que o órgão masculino toca em algo na região inferior do abdômen". E ressalta: "Em outros casos, o impacto dos movimentos é muito intenso, ocasionando o mesmo tipo de dor."

Para ajudar as vilamigas, a especialista enumerou algumas doenças que podem causar ou potencializar dores durante o ato sexual. Confira:

• Infecções genitais que levam ao ardor, prurido, corrimento vaginal e inchaço da vulva e vagina. Diante dessas queixas é importante procurar um ginecologista para obter um diagnóstico específico. Os tratamentos são simples e eficazes, geralmente com cremes vaginais e medicamentos via oral;

• Inflamatória pélvica, ou seja, infecções genitais que atingem trompas e ovários, provocando dor pélvica, corrimento geralmente purulento, mal-estar geral e febre. O tratamento pode variar de antibióticos via oral à injetável e, muitas vezes, há necessidade de internação hospitalar;

• Cistite (Infecção urinária): tem como principal característica a ardência para urinar e o aumento da freqüência e gotejamento de urina. O tratamento é com antibiótico indicado pelo médico;

• Tumores na região da vagina ou da pelve como bartholinite (infecção da glândula de Bartholin localizada na vulva), miomas (tumores benignos do útero), endometriose (patologia benigna que causa cólicas menstruais fortes e leva à proliferação do endométrio - camada interna do útero - para os órgãos vizinhos), cistos de ovários, etc;


• Vaginismo, definida como a contratura involuntária da musculatura vaginal e perineal no momento da tentativa de penetração. As causas geralmente são psíquicas e há necessidade de avaliação pelo médico e pelo psicólogo.

Dra. Ângela lembra que há outras formas de realização sexual, como o sexo oral e a masturbação, mas que não descartam a necessidade de diagnosticar e tratar as causas da dor. "Evite a acomodação e sempre procure a solução de qualquer aspecto diferente no seu corpo. Isto é fundamental para a sua saúde".

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comentários

Quiz de Celebridades!

Quem é mais jovem?

Últimas

Top Temas

casamentoorgasmofeticheorgasmo femininoclitórispenteadosprazeransiedadecortes de cabelosexo analquadrinhos eróticosswingpompoarismovibradorfantasias sexuaissexo oralkama sutrafilmes pornôejaculação femininasexo selvagemtabus sexuaiscenas de amorbeijo gregoposições sexuais50 tons de cinza