Especial de Páscoa

Meninas que gostam de meninas

Seg, 16/06/2008 - 17h10

O preconceito em relação ao lesbianismo ainda é grande no Brasil. Apesar das inúmeras paradas e manifestos que celebram o orgulho de ser homossexual, ser lésbica ainda é algo discriminado pela sociedade.

Publicidade

Mas o maior tabu é lidar com a família e amigos. Como revelar a opção sexual nesse caso?

A empresária Bianca Cardoso* descobriu que gostava de mulheres por acaso. Ela foi a uma balada gay e, por curiosidade, trocou beijos com uma pessoa do mesmo sexo. “Fiquei na dúvida, porque também tinha relacionamentos com homens, mas comecei a namorar uma mulher e isso mudou”, lembra. “Todos os meus amigos sabem e minha família também. Não tive problemas com ninguém”, completa.

Bianca conversou sobre sua sexualidade aos poucos, primeiro com sua mãe. “No começo, ela não gostou. Depois, nós sentamos, conversamos e minha mãe falou que independentemente do que eu fizer ou com quem eu estiver, ela sempre vai me apoiar”, diz.

Com Alessandra Melo* foi diferente. A estudante, que namorou uma mulher por dois anos, nunca contou sobre sua sexualidade aos pais. Mesmo assim, eles descobriram. “Minha mãe disse que estava procurando um pedaço de papel e achou uma agenda minha jogada, com as nossas iniciais desenhadas. Ela falou que logo ligou as informações, porque minha ex tinha acabado de passar 12 dias na minha casa, como minha melhor amiga. Quando cheguei em casa, meus pais conversaram comigo”, declara.

De acordo com a estudante, no começo ninguém aceitou muito bem sua homossexualidade. “Minha mãe não brigou nem nada, mas achava estranho, errado e perguntava como seria o meu futuro. Meu pai ficou bem chateado. Com o passar dos dias, as coisas se acalmaram e minha mãe passou até a me perguntar algumas coisas sobre o namoro”, diz.

A estudante Michele Vieira* revela que seu primeiro beijo gay foi com uma amiga. “Ela estava na minha casa e estávamos só conversando. Antes de dormir, topamos experimentar. Depois disso, namoramos por quatro meses sem ninguém saber. Quando terminamos, ela ficou com um garoto, mas eu continuei beijando meninas, porque cada dia parecia ser mais gostoso. Na verdade, eu acho que estava me aceitando”, afirma.

Contar para os amigos foi fácil para Michele. Os mais próximos reagiram de forma positiva. “Hoje em dia, encaro melhor essa coisa de ‘expor’ a minha opção. Eu prefiro não sair falando, mas se alguém pergunta, falo a verdade”, declara ela. Já os pais da estudante não sabem de sua opção, mas ela imagina que seu pai não reagiria bem. “Minha mãe não seria tão ruim, mas não aceitaria. Aliás, ela sabe mais ou menos, porque percebe algumas coisas, mas prefere fingir que não sabe”, diz Michele.

O importante é se aceitar e se livrar dos estigmas. A opção sexual não muda o caráter da pessoa. “Acho que essa questão da aceitação tem que partir primeiro de nós, para depois falarmos a respeito com as pessoas”, finaliza.

* os nomes estão trocados para preservar a privacidade das entrevistadas

Fonte - MBPress

17 comentários no Vilaclub

Comente!
Cris Cris
Qui, 25/07/2013 - 17h54 - reportar abuso

Olá, sou evangélica e sinto atração por garotas... Sei como é difícil vencer esse sentimento, pois sempre me deparei com isso. Moro no Rio de Janeiro e gostaria de fazer novas amizades com mulheres da minha faixa etária, 30 anos, que sejam evangélicas e que assim como eu se sentem atraídas por meninas. Estou aberta a novas amizades, gostaria muito de conhecer, compartilhar e trocar informações com pessoas que se identifiquem comigo. Meu e-mail é: amb3016@r7.com

responder ao comentário
Mary Mary
Seg, 13/08/2012 - 19h47 - reportar abuso

Eu qero conhecer novas pessoas

responder ao comentário
ademir rocha da silva ademir rocha da silva
Sex, 03/08/2012 - 22h04 - reportar abuso

é isso ai, as pessoas tem que se adaptar aos meios, digo aos meios em que a sociedade acha que é, politicamente correto. uma hipocrisia só, rotular as pessoas como se fossem gado ou não sei lá o que. qual é a diferença de eu ser hétero,gay,bisexual e etc. pago meus impostos,voto,cumpro meus horarios e etc.quem pode criticar as pessoas (diferentes) a igreja o governo,ou as demais pessoas que se acham normais?

responder ao comentário
alice alice
Qui, 28/06/2012 - 22h02 - reportar abuso

na verdade nao é sóum comentario é q quero fazer uma pergunta?
eu tenho uma amiga eu gosto muito dela eu tb tenho namorado mas nao gosto dele hj minha melhor amiga começou a namorar eu fiquei morrendo de ciumes e ai percebi q nao gosto dela só como amiga ,,sera q sou lesbica?

responder ao comentário
anna Luyza anna Luyza
Ter, 02/08/2011 - 16h40 - reportar abuso

tipo tenho apenas 13 anos e nao consigo me abrir, fikei com meninos mas as meninas ainda chamam minha atençao tenho vontade de assumir mas tenho medo de ser rejeitada pela sociedade esse mundo de hoje é cheio de maus pensamentos!

responder ao comentário
Pâmela Thais Pâmela Thais
Qua, 13/07/2011 - 21h22 - reportar abuso

O mais difícil é quando você resolve assumir e seus pais não ti aceitam .

responder ao comentário
Sex, 10/06/2011 - 15h49 - reportar abuso

Ola pessoal, faz um tempo descobri minha opção sexual. Acredito ser bissexual. No começo eu tinha vergonha, mas depois consegui me aceitar. Sempre tive namorados homens e ja fiquei com mulheres, mas a maioria era só curiosa. Hoje eu namoraria, com certeza, uma mulher. O maior problema, é q elas se escondem, têm vergonha...daí fica difícil. Até pouco tempo eu estive apaixonada por uma, q demonstrava em algumas atitudes o interesse. É dificil reconhecer uma mulher bi. Os sinais ficam entrelinhas, subjetivos, subentendidos.

responder ao comentário
ANA ANA
Sex, 10/06/2011 - 15h26 - reportar abuso

MSN CAROL@DIABINHA.COM

responder ao comentário
jaíne Queiroz jaíne Queiroz
Dom, 27/03/2011 - 18h38 - reportar abuso

Há apenas duas coisas que todos devem pensar:ser vc estar feliz ou não.O resto...são apenas detalhes.

responder ao comentário
Sonia Sonia
Dom, 09/01/2011 - 00h51 - reportar abuso

pior sou eu que gosto de uma menina que tem medo da mãe pois ela é mto controladora e problematica até eu digo, pois a filha não pode fazer NADA sem ela por perto, ela vive a vida da filha basicamente! e nunca iria aceitar eu na vida dela tenho só 19 anos ela tem 16 mais a gente se dá muito bem nao imagino ela com outra pessoa sem ser comigo, quero muito viver com ela esse amor mais com a mãe dela não aceitando não vai ser nada facil

responder ao comentário
Veja mais comentários

Especiais Vila Mulher

Especial de Páscoa

VILACLUB - O conteúdo da rede do Vila Mulher

Top Temas

artesanato bolo de cenoura bolo de chocolate cabelos curtos cortes de cabelo emagrecer enfeites de natal lembrancinhas chá de bebê lembrancinhas de natal maquiagem moda verão 2014 orgasmo pensão alimentícia penteados penteados para madrinhas posições de sexo posições sexuais sexo anal sexo oral unhas decoradas vestidos