Próteses de silicone - qual melhor formato e volume?

qua, 15/09/2010 - 05h28

Próteses de silicone  qual melhor formato e volume

Seios fartos, com mais volume. Muitas brasileiras estão insatisfeitas com o tamanho deles e buscam cada vez mais o implante de próteses de silicone. Para se ter uma ideia, este tipo de procedimento representou 21% das cerca de 460 mil cirurgias estéticas realizadas em 2009, segundo a Associação Brasileira de Cirurgia Plástica.

A questão não é só o aumento das cirurgias, mas também a preferência por próteses maiores, algumas prejudiciais à saúde. Enquanto que na década de 90, a quantidade média de silicone para cada uma era de 190 ml, agora já chega a 300 ml. Para muitas mulheres, os super seios já viraram uma obsessão. Sheyla Almeida Hershey talvez seja a representação máxima dessa tendência. A modelo tem 3,5 litros de silicone em cada mama, colocados através de nove cirurgias. E já passou por várias complicações por conta disso - há dois meses foi parar no hospital devido a uma infecção bacteriana e ainda corre o risco de tirar os seios por completo, a fim de que a bactéria não chegue à corrente sanguínea.

Segundo os cirurgiões plásticos, Alexandre Munhoz e Rubens Penteado, membros titulares da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) não existe um volume definido que indicará complicações futuras. Cada paciente tem uma indicação específica de tamanho, por isso, não deve ser influenciada pela média que varia entre 250 e 300.

"Cada caso deve ser avaliado individualmente, uma vez que depende da anatomia prévia da mama. Mas de maneira geral, próteses maiores de 450 ml apresentam maior incidência de complicações como infecção, alterações de sensibilidade, estrias e queda da mama", alerta Munhoz. Segundo o cirurgião Helio Caprio, também membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, volumes acima de 800 ml geralmente só são encontrados sob encomenda. "Acima dessa medida as complicações seriam devido ao peso artificial dos implantes e a distensão exagerada da pele".

De acordo com Munhoz, a escolha do volume e formato da prótese envolve a questão estética - tamanho do tórax, peso, idade e altura da mulher - e o resultado de exames clínicos feitos antes da cirurgia, afinal, também é preciso levar em consideração o tamanho da auréola e o tecido disponível para cobrir a prótese. "Lembrando que a opinião da paciente sempre tem papel fundamental na escolha final".

O médico também avalia a quantidade de glândula mamária, gordura e o grau de flacidez da pele. "Definimos o desejo de projeção, classificamos o tipo da mama, relacionamos os pontos anatômicos no tórax da paciente, e medimos a espessura da pele. Passamos as informações para uma tabela específica - que compreende perfis diferentes - e depois cruzamos os dados", explica Caprio. Com isso, segundo Munhoz, consegue-se em um universo de 60 modelos disponíveis a identificação de 3 a 4 tamanhos de próteses compatíveis com a anatomia da paciente.

Durante a análise, ambos também levam em consideração o tipo de seio que se quer. "Mais projetado ou mais discreto, um colo mais cheio ou mais vazio. A partir daí que buscamos uma prótese com perfil alto, baixo ou mesmo anatômica (em formato de gota). Há ainda o tamanho do sutiã que ela gostaria de usar e, por fim, uma prova de moldes que é realizada no consultório para saber com qual volume ela ficaria mais satisfeita", esclarece Alexandre. A partir desse teste, a paciente sente o peso e volume da prótese com a ajuda de um top.

Na opinião do cirurgião plástico Rubens Penteado, durante a análise do tamanho e volume da prótese, a dificuldade maior é corresponder às expectativas de cada paciente. Dessa forma, ele ressalta que uma conversa franca que exponha as possibilidades e limitações é fundamental. "Às vezes também usamos fotos dos seios que a paciente aprecia para se ter uma melhor ideia. O processo é feito em 2 a 3 consultas", acrescenta Helio. Já Munhoz afirma que durante a escolha da prótese alguns erros podem ocorrer na avaliação das medidas antropométricas e quantidade de tecidos glandular/gorduroso da mama. Por isso é que muitas vezes são levados dois ou três tamanhos para cirurgia. "Seus respectivos medidores são esterelizados e assim experimentamos o que se adequa melhor", diz Caprio.

Também antes da cirurgia também pode-se ter uma ideia do resultado final através de um programa de computador, no caso o E-stetix, um software suíço. A partir de fotografias, a imagem da mama é processada em 3D. A partir daí, é possível escolher o fabricante, o modelo e o tamanho que mais se adequam à paciente. Para o cirurgião plástico Ricardo Cavalcanti, que utiliza a ferramenta, é uma forma de mostrar ao paciente os resultados da cirurgia com mais precisão.

Próteses de silicone  qual melhor formato e volume

Software E-stetix. Foto-Divulgação

Modelos de próteses

Penteado explica que há vários modelos de próteses. Com os mais altos, ou redondos, se consegue maior volume na parte superior da mama, assim o colo fica mais preenchido. "Por meio dos perfis anatômicos buscamos um volume ou projeção maior na parte inferior. Assim, para cada caso, uma indicação". Os especialistas alertam que o poliuretano está em desuso. Mais seguros e duráveis são os da última geração do silicone, que já é a quinta.

Com as próteses anatômicas, os seios ficam mais volumosos no centro e parte inferior da mama. "São indicadas para mulheres que desejam um formato de mama mais natural, não redondo, e um aumento moderado. Tem boa indicação em mulheres muito magras onde os resultados respeitam a anatomia da mama", explica Munhoz. As de perfil alto deixam o colo mais cheio e o preenchimento perceptível, por isso não ficam bem em mulheres muito magras. "Também em mulheres que não têm glândula mamária. Os resultados ficam mais artificiais, pois a prótese fica bem visível", esclarece. Entretanto, para casos de flacidez essas são ideais, o que não é o caso das próteses de perfil baixo. Conforme o cirurgião, essas são mais discretas é usadas em casos de assimetrias mamárias (mamas diferentes), quando a intenção é aumentar um pouco a mama menor com o objetivo de torná-la mais parecida com a maior.

No caso das mamas flácidas e caídas é preciso que primeiro seja feita uma plástica para levantar os seios. "Às vezes usamos uma combinação de técnicas, compondo ‘levantamento’ com a utilização das próteses", acrescenta Penteado. Segundo Caprio, geralmente o cirurgião associa o implante da prótese com a mastopexia (remoção de pele) para um melhor resultado.

Riscos

Assim como qualquer cirurgia, o implante de silicone pode causar infecções secundárias, sangramento, dor, problemas com a pele, rejeições ao implante, contratura (endurecimento), abertura de pontos, quelóide e hematomas. "Por isso que é fundamental exames pré-operatórios habituais, avaliação clínica e acompanhamento com um anestesista. A cirurgia deve ser realizada em ambiente hospitalar com equipamentos anestésicos e sala de recuperação", alerta o cirurgião Munhoz.


Ainda conforme o especialista, o hospital deve ter sistemas de esterilização em conformidade com as normas da ANVISA (Agência de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde) para se evitar infecções. "Devem-se usar antibióticos profiláticos e curativos adequados". E as próteses, claro, devem ser credenciadas pela própria ANVISA.

Por Juliana Lopes

38 comentários no Vilaclub

Comente!
Grazy
qua, 16/10/2013 - 23h35 - reportar abuso

Ola meninas tenho 1, 56 e peso 55. Estou com muita duvida qto ao tamanho 250 ou 280 não quero algp exagerado mas tbm não quero algo q não seja notado. Poderi emviar fotos p meu email com resultados me ajudaroa muito. Outra questão alguém conhece o trabalho do doutor marcos artigas grillo. Grazy_real@hotmail.co.

responder ao comentário
Ana Lu
quin, 10/10/2013 - 15h23 - reportar abuso

Tenho 1,68 de altura e 54 kg, acho que vou colocar 325 ml, eurosilicone, perfil super alto. Tenho um pouco de mama. Será que vai ficar bom? Minha mãe tá me apavorando, achando que vai ficar grande!

responder ao comentário
Jeh
seg, 07/10/2013 - 10h54 - reportar abuso

Gente, como nós temos duvidas sobre esse assunto, né?! Eu já me consultei várias vezes com meu cirurgião e sempre surge uma coisa nova que você gostaria de saber... Bom, daqui a exatamente um mês vou colocar próteses nos seios, vou fazer apenas a mamoplastia de AUMENTO. Tenho 21 anos, 1,66 de alt. e 64 kg. Não há excesso de pele ou divergência nos seios. Antes de tomar minha decisão quanto ao médico, tamanho de prótese e etc, pesquisei muito, conversei com amigas que fizeram, e o que mais me chamou a atenção, é o MEDO que de vai ficar grande demais. O que acontece: Você opera e fica frustrada, por que queria ter colocado MAIS! Esse foi um dos motivos que me fez escolher, é claro, juntamente com a decisão do meu médico, uma prótese de 485 gramas. Lembrando: Não sou o tipo \"magrinha\"... Tenho pernas grossas e bundão! QUASE nada de seio e meu tórax é largo o suficiente para portar esse tamanho. As magrinhas pelo amor de Deus não façam isso! Rsrsrsrs. Já vi magrinhas lindas com proteses de 350... Mais do que isso provavelmente ficaria exagerado! Bom, relatei minha história, e gostaria MUUUUITO de saber se alguém daqui já colocou próteses grandes e como foi o pós... Dor das costas, estrias, se gostou do resultado final. Assim que fizer minha cirurgia posso mostrar meu resultado pra vocês meninas! Bom dia a todas!!!

responder ao comentário
karla
sab, 22/06/2013 - 11h34 - reportar abuso

olá gostaria de saber si alguém conhece a nipomed campinas sou de campinas e gostaria de colocar silicone mas não tenho nenhuma referencia de clinica ou cirurgiões si alguém poder mi ajudar fico grata.

responder ao comentário
marli ortiz
sex, 18/10/2013 - 21h06 - reportar abuso

fiz uma lipo com o Dr Roni Bregion, ele eh da Nipomed e eh excelente como profissional e amigo ...amei

Carol
sab, 06/04/2013 - 13h45 - reportar abuso

Alguém já colocou com o Dr. André Ahmed Pereira no Rio de Janeiro???

responder ao comentário

Especiais VilaMulher

Quiz de Celebridades!

Quem é mais jovem?

VILACLUB - O conteúdo da rede do Vila Mulher

Top Temas