Preconceito no mercado de trabalho

sex, 03/04/2009 - 10h40

Preconceito no mercado de trabalho

Ter boa qualificação profissional, saber trabalhar em equipe e ser uma pessoa pró-ativa, alguns dos pré-requisitos exigidos pelos recrutadores em um processo seletivo. Mas em certas empresas, apenas isso não basta. Infelizmente, o preconceito ainda existe. Elas também exigem que o candidato tenha menos de 40 anos ou ainda a aparência física que a empresa quer.

Depois de concluir a faculdade de Administração de Empresas, Ana Oliveira participou de vários processos seletivos, principalmente nas áreas financeira e de recursos humanos. Entre provas e dinâmicas, ela sempre conseguia chegar na reta final. “Em algumas delas era preciso formar equipes, sendo que um concorrente era escolhido para gerenciar os grupos. Eu sabia que tinha capacidade de liderança, mas muitas vezes não era escolhida por ser gordinha”.

Em uma entrevista Ana chegou a ouvir do psicólogo a seguinte questão: “Ele me perguntou, na lata, porque era gordinha. Se isso era genético, se minha família tinha problemas de peso, e se eu estava fazendo algo para emagrecer, como se isso fosse um empecilho para a vaga”, conta

“Ninguém é obrigada a ser magro, jovem ou ter determinada orientação sexual. Bons times, nas empresas, são constituídos por pessoas diferentes. Pessoas nos cargos de chefia que buscam apenas a semelhança são comprovadamente incompetentes”, ressalta Suely Pavan, especialista em Recursos Humanos e diretora da Pavan Desenvolvimento.

Quando o assunto é idade, o que se observa é o atraso de muitas empresas, mesmo com o aumento da expectativa de vida do brasileiro. Heloisa Helena Leal, de 48 anos, não foi chamada por conta disso. Para a consultora jurídica, que contou a sua história na comunidade Vila Mulher, conhecimento e a inteligência emocional de profissionais mais velhos têm sido fator de êxito nas empresas, especialmente para cargos que exijam uma carga de responsabilidade e pressão muito fortes.

“É preciso disseminar cada vez mais o fato de que estes profissionais "mais velhos", em sua maioria, não são cheios de idéias pré-concebidas, nem vivem do passado. São profissionais capazes de acompanhar a evolução, se adequar a ela e, principalmente, entender o novo”, afirma.

Suely compartilha da mesma opinião e acrescenta que muitas empresas escondem o preconceito em relação aos candidatos mais velhos. “Apesar de ser ilegal colocar limites etários, verifica-se que alguém que passou dos 34 anos já é um velho para o mercado de trabalho brasileiro. Mesmo quando as empresas, devido à ilegalidade, não colocam uma faixa etária na divulgação da vaga, no momento do processo seletivo ocorre essa barreira”, protesta.

Parte da culpa também vem dos profissionais de recursos humanos que, ao invés de buscar o profissional mais adequado à vaga, se valem de preconceitos para a contratação. Na opinião da psicóloga, quem trabalha com RH poderia questionar as empresas nesse sentido.

“Quem foi que disse que pessoas mais velhas são improdutivas? O preconceito está sempre entremeado naquilo que deveria ser apenas uma aferição de caráter profissional, que nada tem a ver com cor, sexo, religião ou idade”, ressalta a psicóloga.

Também cotidiano das empresas, a discriminação por causa da idade ainda continua. Conforme a psicóloga, normalmente muitos jovens são escolhidos para as promoções. Qualificação, disponibilidade e acesso à tecnologia estão entre os motivos alegados.


Quando a discriminação vira humilhação, ou seja, o profissional é ridicularizado por preferência sexual, raça ou aparência física, a questão é ainda mais séria. São indícios de assédio moral. Caso se tenha provas da agressão psicológica já é possível processar o responsável por isso. Se isso estiver acontecendo com você saiba que e-mails, cartas ou outras formas de comunicação são consideradas provas de acusação. Faça valer os seus direitos!

Por Juliana Lopes

14 comentários no Vilaclub

Comente!
Lucia
quin, 13/06/2013 - 16h29 - reportar abuso

Tenho sofrido isso na busca por emprego, estou com 34 anos, gordinha sou graduada, pós graduada, uma vasta experiência e nas últimas 2 entrevistas que fiz, eu atendia todos os pré requisitos da vaga profissionalmente, agora na aparência devia ter perguntado para o selecionador..é uma humilhação!

responder ao comentário
Genilda
quin, 13/06/2013 - 15h47 - reportar abuso

Criam-se tantas leis porque não criar uma com cotas para uma determinada faixa etária? Hoje sobra jovens disponíveis por isto rejeitam os de mais idade...

responder ao comentário
VIRGINIA
quin, 13/06/2013 - 15h12 - reportar abuso

Tenho 42 anos sou formada em administração de empresas tenho MBA em Gestão de /recursos Humanos, tenho 20 anos de experiencia nas áreas de recursos humanos e financeira, fiquei 4 anos desempregada, hoje trabalho em uma empresa que me paga 1.100,00 reais atendo telefone e faço café, 4 anos procurando emprego e só consegui este, enquanto tem um colega que tem ensino fundamental é chefe de escritorio não sabe fazer nada e ganha quase 3.000,00. Moro em Brasilia, realidade.

responder ao comentário
WALTER LUIZ LOPES
ter, 21/08/2012 - 17h02 - reportar abuso

Vejam só: O ensino fundamental o primeiro grau levam 8 anos, o segundo grau mais 3 anos. A faculdade mais 4, 5 ou mais. Depois um doutorado, uma pos, um MBA, e por ai vai, pronto agoro estou preparado!!! Decepção!!! Agora já tenho 35 anos e estou velho. Não é ridiculo??? Por que estudei tanto, podia ter aproveitado a vida, meus estudos não iriam servir de nada mesmo...

responder ao comentário
Luis fernando
quin, 03/05/2012 - 16h08 - reportar abuso

sou Obeso e Daaaaaai ? e todo mundo me chama de Gorda e Daaai ?

responder ao comentário

Especiais VilaMulher

Quiz de Celebridades!

Quem é mais jovem?

VILACLUB - O conteúdo da rede do Vila Mulher

Top Temas