Amamentação - problemas mais comuns nos seios

Amamentação seios

Foto - Shutterstock

Amamentar é a melhor forma de alimentar o seu filho até pelo menos os seis meses de idade. Mais do que isso, um ato de amor que aproxima mães e bebês. E traz benefícios às mulheres, pois acelera a recuperação pós-parto, queima calorias e também reduz as possibilidades de depressão logo após o nascimento. Entretanto, esse elo importante pode ser dolorido para as mães por conta de alguns problemas na passagem do leite nas mamas.

Em muitos casos, elas sentem a mama endurecida, situação chamada de ingurgitamento mamário. As mamas ficam com pequenos nódulos e os mamilos inchados. Para que isso seja evitado, a recomendação de Jorge Huberman, pediatra e neonatologista do Hospital Albert Einstein e do Instituto Saúde Plena, é sempre iniciar a amamentação o mais cedo possível, com as técnicas certas e evitar o uso de suplementos alimentares. Mas no caso do problema já instalado, o pediatra indica alguma medidas. "Se a aréola estiver tensa, a mãe pode tirar um pouco de leite manualmente antes da mamada, assim ela fica macia o o suficiente para o bebê. Massagens delicadas nas mamas são importantes para estimular a saída do leite. Lembrando que o uso de sutiã com alças largas e firmes aliviam a dor", aponta

Também para reduzir o incômodo, Huberman afirma que está liberado o uso de analgésicos e antiinflamatórios, entre eles, o paracetamol e o ibuprofeno, sendo que esse último também reduz a inflamação e o edema. "Além da medicação, as mamães ainda podem usar compressas mornas que ajudam na liberação do leite. As frias são importantes nos intervalos porque também diminuem o edema e as dores", acrescenta o pediatra. No caso de o bebê não sugar, o jeito é fazer a ordenha manual ou com a bombinha, pois a retirada do leite é essecial para evitar mais dores.

"O esvaziamento da mama é essencial para dar alívio à mãe, diminuir a pressão mecânica nos alvéolos e diminuir o risco de comprometimento da produção do leite", diz Huberman. A própria ingurgitação também pode ser responsável mais tarde por outras complicações, como o ducto bloqueado (pequeno tubo que leva o leite ao mamilo), isso quando há uma bolinha esbranquiçada na ponta do mamilo ou ainda um volume doloroso e avermelhado na parte da mama.

Neste caso, a indicação do neonatologista é acima da tudo continuar a amamentação, pois é a sucção do bebê que facilita o fluxo do leite, e continuar o mesmo tratamento da ingurgitação. "Às vezes o próprio médico extrai o leite. Se houver febres e vômitos, ele deve ser procurado", alerta.

De acordo com o pediatra, algumas mulheres também desenvolvem complicações maiores, como a mastite, inflamação seguida de infecção das glândlulas mamárias causada pelo acúmulo do leite, que antes ficou parado e trouxe bactérias. É detectada por mamas vermelhas, endurecidas, doloridas e quentes. Lembrando que a mastite é diferente do ingurgitamento (conhecido empedramento), e acontece quando as placas de leite não são desfeitas.

Geralmente o tratamento inclui o uso de antibióticos e analgésicos, os quais podem ser usados sem prejudicar o bebê. As compressas e banhos quentinhos ajudam a aliviar as dores. Se o bebê não está pegando bem nos seios, as mães devem experimentar novas posições e mais uma vez tirar o excesso de leite depois da mamada com uma bombinha ou não.

Conforme o pediatra, muitas mães chegam a fazer massagens nos seios durante a amamentação para a ajudar na saída do leite. Esse movimento deve ser feito com cautela, porque uma massagem mais rápida é responsável pelo efeito contrário, ou seja, empurra ainda mais leite para a parte interna da mama.

O ingurgitamento é um processo natural caracterizado pelo endurecimento das mamas. É o famoso empedramento. A mastite, por outro lado, vem à tona quando as placas de leite não são desfeitas e muito menos ordenhadas.

Fissuras mamárias

Durante o período da amamentação, muitas mães têm problemas de fissuras no próprio mamilo por conta não só da má postura da criança ao amamentar, mas também pela forma errada de sucção do bebê. Antes de mais nada, conforme o pediatra, a mãe deve insistir na amamentação. Também aproveitar o próprio colostro (leite mais amarelo e transparente) e passá-lo na auréola e no mamilo, deixando secar ao ar livre - ele vai agir como um cicatrizante. Conchas de silicone com furos também ajudam porque evitam o contato com o tecido do sutiã. Os banhos de sol podem ser feitos por 10 ou 15 minutos nos horários em que o sol é mais fraquinho, ou seja, entre sete e dez da manhã, ou após as 15 horas.


Apesar dessas pequenas complicações, as mães devem insistir na amamentação, mesmo porque ela ajuda na passagem do leite e evita o bloqueio da mama. Também pedir auxílio do seu pediatra e achar novas formas de estimular os pequenos a fazer a sucção, que também traz benefícios ao organismo da mulher. É através dela que o se contrai mais o útero, fazendo com que ele volte ao tamanho normal mais rápido.

Por Juliana Lopes

 

Comentários

Quiz de Celebridades!

Quem é mais jovem?

Últimas

Top Temas

casamentogravidezsexoseparaçãoorgasmo femininoemagrecermaquiagempenteadosansiedadedietacortes de cabeloamamentaçãoinício das aulaspartoabortobolo de cenouraformaturadecoração para festa infantilauxílio maternidadedecoração para quartopensão alimentícia